MENU PRINCIPAL

quarta-feira, novembro 14, 2018

resenha "O NATIMORTO" DE LOURENÇO MUTARELLI (E O SEU LEITOR IDEAL)

           
Ministrando a Disciplina de Estilística Literária na Universidade, convergimos, segundo a teoria de base (Pierre Giraud), em dois “olhares” epistemológicos sobre o ente artístico verbal: um primeiro individual, ressaltando os recursos e elementos expressivos possíveis de identificação e inserção dentro de um projeto de potencializar a expressão; mas por outro lado um método de análise denominado genético, que leva em conta elementos como história, sociedade, autor e que acaba por enviesar uma análise mais comparativa de estilos, sempre ressaltando a identidade pela diferença.
            Levando mais a fundo esta perspectiva genética ou contextual de análise estilística, devemos relembrar o pressuposto básico e didático desta perspectiva, definido como: “os aspectos externos à obra podem determinar a regulação, inserção ou exclusão de recursos expressivos na linguagem da obra de arte”. Em outras palavras e como exemplo, o autor tende a alterar e reconfigurar sua obra a partir de uma análise de seu púbico e de seu tempo. Antônio Cândido já advogava por uma análise literária que passasse pela tríade: autor, obra e público. O que hoje torna-se salutar, imprescindível. Tendo em vista que muitas reconfigurações estilísticas e estéticas, bem como o próprio teor da arte está ligada ao que chamamos mercado editorial. 

quarta-feira, novembro 07, 2018

REFLEXÕES ESTILÍSTICAS A PARTIR DO TEXTO “POESIA, PENSAMENTO ABSTRATO” (PAUL VALERY)

O presente texto analisa algumas afirmações de Paul Valery, em seu ensaio "Poesia, Pensamento Abstrato" sob o enfoque da teoria literária e da estilística, ensejando entendimento sobre o fazer poesia e suas considerações estilísticas. 

            Neste texto serão tecidas algumas observações de ordem estilística a partir de algumas ideias de Valery em seu clássico ensaio “Poesia, Pensamento Abstrato”.

Cada palavra é uma montagem instantânea de um som e de um sentido, sem qualquer relação entre eles. Cada frase é um ato tão complexo que ninguém, creio eu, pôde até agora dar uma definição sustentável. Pode-se analisar um texto de muitas formas diferentes, pois ele é altamente julgável pela fonética, pela semântica, pela sintaxe, pela lógica, pela retórica, pela filologia, sem omitir a métrica, a prosódia, a etimologia. Vejam que esforço exigiria a empreitada do poeta, se fosse preciso resolver conscientemente todos esses problemas!

A premissa de Vallery é a de que o criador não consegue prever todos os recursos e seus efeitos de sentido, pois seria uma tarefa hercúlea.

terça-feira, outubro 30, 2018

O QUE O FILME “PÉ PEQUENO” NOS FALA SOBRE ESTADO E VERDADES ATUAIS?

Este texto analisa algumas indagações provocadas pelo filme culminando em refletir o momento atual, de Nacionalismo no Mundo e no Brasil, com uma motivação da sociedade para buscar segurança em valores aparentemente imutáveis como Nação e Família. 

O filme Pé pequeno é uma animação infantil, produzida pela Pixar e dirigida por Karey Kirkpatrick. Nada mais oportuno. 

quarta-feira, outubro 10, 2018

A GAROTA DO LIVRO E “A(PROPRIA)AÇÃO” DA ESCRITA



Escrevo esta resenha para quem já assistiu ao filme. No códex canônico dos filmes cult, ou nas grandes produções estéticas, esta Garota não figuraria. Mas quem se importa com culpa ou complacência pela crítica de cinema? Na singela trama e na simplicidade das cenas, talvez até mesmo na pieguice placebo da cultura indie, em toda essa morna teia juvenil, poderia ter prosperado a força do tema assédio sexual e pedofilia, que de soslaio iria discutir a negligência do Pai; poderia ter irrompido com força os traumas da adolescência, fruto deste assédio moral, incitado pela autoridade de professor que Millan Daneker, no auge de sua autoridade moral, faz uso da pior forma possível. E poderíamos discutir por algum tempo a ausência de voz e o quanto Alice é subestimada e sujeitada pelo Pai e Patrão. CONTINUA,...

terça-feira, outubro 02, 2018

DICAS - O QUE ESTUDAR NO ENEM? - (Linguagens)

Os dados abaixo são frutos de análise das provas 2016 e 2017, aplicadas metodologia específica para alocar os conteúdos exigidos, bem como os suportes, diferenciando-os, uma vez que os conteúdos são constituídos de informações e dados externos à prova; e os suportes são os tipos e naturezas textuais utilizados para leitura dos candidatos na prova do ENEM.

Na matriz de referência, constam as competências e habilidades exigidas ao aluno; ou seja, o que ele tem que saber para responder as questões; Baseada nelas, construímos três dicas adicionais à prova do ENEM 2018. (As dicas estão no final)

 Do ponto de vista da exigência de conteúdos externos, ou seja, a quantidade de informações necessárias para responder as questões, a imagem acima ilustra os tipos de abordagem. Quase 40% das questões da prova de Linguagem exigem informações que estão dentro do próprio texto, não exigindo busca externa na memória. Mas estas informações ou estão colocadas literalmente, a palavra está transcrita integralmente; ou surgem de forma associada, ou seja, usando sinônimos ou metáforas. No terceiro nível as informações são exigidas de fora, tais quais: gêneros, tipologias textuais, conhecimentos gerais, etc. 


Acima, podemos perceber o quanto a prova de Linguagens 2016 exigiu informações externas de Literatura (15 questões); É importante observar que são 07 questões de Compreensão Integral. E três questões que exigem compreensão de coerência e coesão. Ou seja, entender o fluxo do texto, conjunções, e elementos coesivos foi fundamental, bem como pontuação. Por outro lado, questões que exigem conhecimento de pintura e propaganda perfazem 5 itens. 



A leitura que podemos fazer do gráfico acima é a de que as questões de Literatura foram reduzidas (15 para 09); e ampliadas as questões de Compreensão e Interpretação integral, o que mostra menor exigência de informações a serem decoradas ou fixadas. A prova ficou mais extensa, mas com menos exigência de informações. Por outro lado, o conhecimento de pintura e propaganda se fez mais presente. (06 questões). 

Abaixo, seguem os tipos de texto que mais foram exigidos nas últimas provas 2016 e 2017.  



É salutar que o aluno siga algumas destas dicas, pensadas dentro do processo;
1 A leitura é um ato psico físico, o que determina treinamento. Ler qualquer tipo de texto contribui para o treinamento mental.

2 Cuidado com o tempo de resolução. Sempre deixe 03 minutos para cada questão, sabendo que os textos suporte levam até 01 minuto em média para serem lidos.

3 Adquira variedade de sinônimos e métodos de associação. Assim como o raciocínio lógico está para a matemática no ENEM, o método de associação está para a prova de Linguagens e outras provas inclusive. 


quarta-feira, setembro 12, 2018

SEMIÓTICA E TEXTOS MULTIMODAIS - III SILLIC - JI-PARANÁ - IFRO

O presente tema foi discutido e apresentado no III SILLIC - SIMPÓSIO DE LÍNGUAS, LINGUAGENS E IDENTIDADES CULTURAIS, promovido pelo Instituto Federal de Rondônia, campus Ji-Paraná. A Semiótica, enquanto ciência da Linguagem, oferece uma gama de plataformas metodológicas para desvendar seus objetivos frente ao objeto Linguagem, mesmo que este possua formas desdobradas da Língua Materna, associadas à novas formas de representação. Textos multimodais, em sua definição pontual, constituem-se de linguagens que possuam mais amplitude representativa, ou seja, recursos de representação específicos além do espectro discursivo comum. Todos este campos representativos focam em atender à função textual ou gênero proposto. Com a evolução da linguagem digital, da imagem e do som, os textos multimodais passaram a focar em resultados cada vez mais difíceis e inusitados, ampliando sobremaneira seu poder comunicativo. 

Por questões metodológicas, algumas unidades de textos multimodais podem ser analisadas e identificadas a partir de um conjunto de características estruturais e também temáticas, funcionando como pós-gêneros.

Podemos citar algumas destas identidades na grade histórica: a primeira e mais conhecida, a Charge. Delas evoluímos para formas modais mais complexas, como o Nosense, a fetichização e a fake News. A partir desta apresentação em minicurso, derivada de questões semióticas suscitadas a partir de objetos de pesquisa inseridos pela nova mídia, objetivamos escrever um texto analisando algumas identidades multimodais.   


Seguem alguns Links de observações produzidas aqui no Blog que deram origem aos trabalhos.