MENU PRINCIPAL

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

Semiótica e Crítica Literária: Novas Definições

Olá a todos...

Bem, leitores do V período podem revisitar os conceitos
da última aula (14/02) nesta página. Vamos a eles:

- A semiótica tem por objeto sistemas representativos de linguagem.
Um sistema lingüístico tem uma estrutura bem definida de funcionamento,
mas não podemos afirmar o mesmo quanto às suas dimensões, pois
sempre estamos acrescentando algum novo signo ao conjunto.
Os signos que compõem um sistema não necessitam necessariamente
serem lingüísticos. Podem ser objetos, assim como as roupas são signos
para o sistema moda, e estão presentes sem a necessidade de inscrição,
ou seja, não necessitam serem postas como signos para que atuem como
tal.

A própria semiótica é o olhar por sobre as coisas que significam. Um olhar que procura re-organizar os sistemas simbólicos em busca de uma coerência e unidade que lhes dê sentido:
assim como a culinária se apresenta como um sistema semiótico complexo, pois comunica
e apresenta signos de diversas leituras, coerentemente amarrados pelo ato de comer, alimentar, preparar, etc...

Efetuar leituras do mundo simbólico se apresenta a forma mais nítida
de compreender a semiótica.

Note que para descrever o mundo, utilizamos um sistema modalizante,
que pode ser considerado primário, que é a própria linguagem. A linguagem é o primeiro sistema que atua re-organizando o mundo, e descrevendo-o de forma a presentificar ao interpretante.
Quando descrevemos uma cena, narramos um fato, falamos sobre alguém utilizamos a linguagem modalizante primária.
A linguagem é a primeira organizadora do mundo, que pode não ser tal qual o vemos.
Por isto ela é um sistema simbólico que atua sobre a realidade.
Já a literatura atua sobre a linguagem, e pode ser considerada um sistema modalizante secundário.

Língua Objeto ------ Metalinguagem (literatura)

A literatura e outras linguagens artísticas ou simbólicas atuam por sobre um sistema llingüístico primário, que lhes da origem.
O processo literário de criação e crítica, pode ser representado pela semiótica da seguinte maneira:

Real ----> Linguagem (código padrão que reorganiza e representa o real) S1 ---->

Sistema Literário (reorganiza esteticamente o S1) S2 ---> Sistema Crítico (reorganiza e representa o S2) S3

O processo de evolução semântica, perpetuação do sentido, gradação nos níveis de modalização (primária, secundária, etc) chama-se Semiose.

Para a semiótica contemporânea, tudo que significa dentro de um sistema passa a ter caráter
de signo.
Por isso que a semiótica lida bem com o verbal e o não-verbal ao mesmo tempo.
Qual o segredo?
O segredo é o modo de estudar e olhar o elemento significativo.
A possibilidade de significação de dado signo está em seu contexto sistemático e no caráter semântico do interpretante (como exemplo, o leitor)

Um signo alocado em um sistema modalizante secundário (literatura, por exemplo) já é destituído de seu sentido original, podendo receber evoluções semânticas dadas pelo interpretante. logo, o potencial do signo é dado por aquele que o lê.
Olhamos o signo por aquilo que ele pode ser e não pelo que ele é, logo podemos encarar uma pintura da mesma forma que um vocábulo, desde que descortinado o seguinte princípio:

Todo signo é portador de informação.

Resumidamente é isso;;;;

O Aprofundamento destas temáticas podem ser efetuados nas seguinte obras:
- Estruturalismo e Poética - Tzevan Todorov
- Elementos de Lingüística Contemporânea - Edward Lopes
- O que é semiótica - Lúcia Santaella
- Estudos de semiótica Poética - Greimas e Rastier

Abraços,,,,
qualquer dúvida, entrem em contato.
Prof. Rômulo

Um comentário:

Anônimo disse...

A semiótica pode apresentar estudos bíblicos?