MENU PRINCIPAL

quinta-feira, março 24, 2005

A TEORIA LITERÁRIA: Pontuando Acízelo

SOUZA, Roberto Acízelo de. Teoria da Literatura. 5.ª ed. Ed. Ática: São Paulo, 1995.

PONTOS NODAIS
Por. Prof. Ms. Rômulo Giácome O Fernandes


1.Sem uma teoria, a literatura é o óbvio. (pág 05)

A literatura é um objeto científico que possui variadas formas. Por ser construída pela linguagem e, esta possui uma configuração variável, depende de vastos fatores para uma teorização competente. Em primeira instância poderíamos considerá-la como aberta a lacunas. Estas lacunas devem ser preenchidas pela teoria. O discurso literário se constrói através de um discurso que o sustente. Analisar a obra, ver suas possibilidades de leitura, explicar seu funcionamento são práticas da teoria literária. A teoria literária faz com que a obra tenha um sentido científico. Pois a considera objeto de pesquisa e para tanto procura metodologias que consigam estudá-la.

2. Pode-se teorizar sobre a literatura? (pág 08)

O problema de encontrar respostas ou conceitos para literatura está no fato de que ela é um problema aberto a vários questionamentos. Como tal, também está aberta a várias metodologias. O dia que a resposta à pergunta: O que é literatura?, for dada em definitivo, ela deixará de ser literatura e perderá sua importância. A literatura está como uma pergunta ao mundo e não uma resposta. Sendo assim, problematizar a cerca da obra literária e teorizá-la, pois se abre questionamentos a fim de respondê-los. Logo, a literatura é um dos objetos científicos de maior teorização.

3. Normativismo versus Descritivismo. (pág 12)

Normatizar é impor regras de construção da poética, ou tanto quanto apresentar conceitos que indicam um “certo” ato de escrever. Foi muito utilizado antes do Romantismo e principalmente antes das novas concepções de arte como “ofício da linguagem”.
Descrever é reconstruir e explicar os processos que foram utilizados no ato da criação poética. Teve seu apogeu no Romantismo, quando a criação era livre, sem normas, e principalmente na inovação dos estudos da linguagem.

4. Estudo: O estudo é entendido como a explicação científica e metodológica a cerca do objeto literário. Analisa-se, compara, explica e descreve sistematicamente o objeto artístico verbal. A fruição é a leitura desinteressada das questões científicas, uma leitura pelo prazer do texto, pela necessidade individual.

5. As disciplinas que estudam a literatura descendem de uma história científica sobre o assunto. Seguem a ordem cronológica:

a) Poética: Formação clássica (greco-romana) com Platão e principalmente Aristóteles. Criou os primeiros conceitos para o estudo da literatura. Era mais normativista e dependia diretamente das obras (limitadas) da época clássica. Perdurou por vários séculos, um pouco depois do renascimento.
b) História da Literatura: Com o advento do Renascimento e a valorização do saber científico, sistemático e racional, bem como com as eternas lutas entre os poderes, a sociedade, as religiões, a história passou a ser uma disciplina dominante no estudo literário. O século de 1700 já iniciou a rachadura nas visões poéticas clássicas, demarcando que era ora de uma nova modalidade de estudos literário entrar na questão. A história literária poderia ser compreendida em suas três vertentes mais fortes: O biográfico-cronológico e depois biográfico-psicológico no século XIX (1800); O sociológico e o Filológico. O apogeu das vertentes agora citadas foi o século XIX. É bom ressaltar que os estudos literário também passaram a ter mais importância científica, surgindo o nome Ciência da Literatura.
c) Crítica Literária: “Em vez de a reflexão estabelecer normas relativas à literatura, o que se busca é descrever os fatos, ao mesmo tempo em que se desenvolveram esquemas explicativos sobre suas origens e causas, bem como sobre seu processo de transformação” (pág 31) A crítica literária viria a ser a grande disciplina da literatura até um pouco antes do surgimento do termo Teoria Literária. Ela era responsável (nos fins do século XIX até os dias de hoje, salvo as suas modificações) por não só interpretar a obra, mas também por dar-lhe condições de propor mais sentidos, de explicar como estes sentidos surgem, como a obra foi construída e comparar as obras entre si para erigir um discurso crítico.
d) Teoria da Literatura: O nascimento deste nome não marca apenas uma nova terminologia das ciências que estudam a literatura. É também uma mudança de postura frente à obra: uma postura mais científica, mais enriquecida pelas novas ciências e mais posta a tratar somente do objeto literário, com status de nova ciência. O emprego deste termo surge com o lançamento da obra Teoria da Literatura (1942) de Austin Warren e René Wellek. Não sem antes terem sido publicadas obras como Teoria da Literatura (1925) de Boris Tomachevski e Notas para uma teoria da Literatura (1905) de Alexander Portebnia. Esta disciplina chamada Teoria da Literatura evoluiu até os dias de hoje, sendo uma ciência com métodos e objetos bem definidos.
e) Andando paralelo às disciplinas citadas acima, ora contribuindo ora limitando as visões literárias, temos duas disciplinas específicas: a retórica e a estética. A retórica lida com os recursos e elementos constitutivos da argumentação, da persuasão. A estética lida com a categoria do belo.

5. A Literariedade. Existe uma dificuldade muito grande no ato de detectar uma obra literária. Saber o que é e o que não é literatura sempre foi motivo de muitas discussões. Olhamos um texto e perguntamos: é literatura? Detectar a literatura em sua porção externa é procurar literatura no lugar errado. Por esta imprecisão de método, muito se tem errado no diagnóstico literário. Você pode muito bem fazer uso da crítica já existente, pois quando lhe perguntarem se tal texto é literatura ou não, basta saber se alguém já o analisou antes. Drummond é literário em primeira instância porque a crítica já o avaliou. Mas quando não temos muitos subsídios externos para avaliação, o ponto de partida é a linguagem. Então não perguntamos se aquele conto é literatura, mas sim se ele é literário. Ou seja, se ele possui todos os requisitos essenciais que a obra de arte verbal deve conter. Se existe trabalho com a linguagem, uso da seleção e combinação, polissemia e toda a gama de conceitos da Teoria da Literatura. Logo, ao conjunto dos elementos que fazem com que a obra seja literária chamamos de LITERARIEDADE.

3 comentários:

Anônimo disse...

oieeeee
finalmente consegui comentar aqui!!!!!!! achei mto bacana esse espaço; os textos estão ótimos...veja a coincidência: eu estou lendo Acízelo..sabe né... preciso de muitos conhecimentos literários.
bom.. estamos ansiosos para saber o resultado das provas, mas prometo que não vou ficar fazendo cobranças...agora que eu estou estagiando, sei bem como é chato quando o aluno fica no pé querendo nota, kkkkkkkk;
nuss!! esse post ná enoormeee
quando der.. comenta no meu flog! eu atualizei!!
t+
andress

Anônimo disse...

Muito bom!! Obrigada pela contribuição.
Siga sempre postando coisas sobre literatura para ajudar pessoas como eu.
Abraços, Deus abençoe!

adria estevam disse...

Adorei, de forma bem resumida... e me ajudou para a prova kkkk