MENU PRINCIPAL

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

O SHOW DO ANO PARA MIM FOI TELA QUENTE REPETIDA

<>
abaixo, shows do ano, charges do ano e alguma coisa mais.


No ano de 2005 o nosso grupo de pesquisa conseguiu produzir sete trabalhos monográficos no curso de Letras da UNESC. São pesquisas que iniciram-se ainda nos primeiros períodos e foram tomando forma e volume no andamento da graduação e marcaram a própria evolução do TEOLITÉRIAS. O nosso grupo leva em conta que quanto mais cedo a delimitação do tema surge, mais qualidade poderemos agregar à pesquisa. Uma outra forma de laurear nossas atividades é divulgá-las. Para isso apresento os temas das monografias que foram defendidas no ano acima citado.



da esquerda para direita:
DANIELY AYRES ABREU - PARTICULARIDADES SEMIÓTICAS NO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DOS INDIVÍDUOS COM SÍNDROME DE DOWN

LEANDRA HELOISA TURRINI - O FETICHE COMO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO SEMIÓTICA NOS LAYOUTS DE PROPAGANDA DE LINGERIE

ANDRESS DANIELY AVILLA - A RELAÇÃO SEMIÓTICA DA PINTURA DE PORTINARI COM OS SIGNOS REALÍSTICOS DE EUCLIDES DA CUNHA.



ETHEL PANDOLFI ERMITA - ANÁLISE E DIAGNÓSTICO DO PROJETO FEDERAL LITERATURA EM MINHA CASA

SONIA KEPPE - MARCAS DE LINGUAGEM INFANTIL NA POÉTICA DE MÁRIO QUINTANA

GISELY STORCH SANTOS - O ENSINO DE LITERATURA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO CEEJA EM ESPIGÃO DO OESTE.

SOLANGE DE SOUZA PEREIRA - UMA PERSPECTIVA LITERÁRIA SOBRE MANOEL DE BARROS: EM BUSCA DA LITERARIEDADE

>>>>>>>>>>>
- Os shows do ano não passam despercebidos pela literatura e nem pela semiótica: o problema é que os shows do ano (para aqueles que embarcaram naquela baboseira do Fantástico e foram para plutão) estou dizendo de nada mais nada menos Roling Stones e U2. Qual a impressão que causa horas e horas de propaganda maciça em nossa cabeça falando dos tais shows? a frustração de assistir pela televisão, igual atração de palco e repartido em partes pela globo. Em suma, uma total sensação de normalidade, mesmice e com o sentimento: estão no RIO; e daí? poderiam estar em Congo que daria no mesmo. A televisão tem o grande poder de criar e ao mesmo tempo destruir. Criei por um momento a expectativa, mas logo depois percebi: ora, na televisão, DVD. Mas falando sério, o que é assistir um show sem conhecer mais do que três músicas de uma
banda? R: gostar de apenas três músicas do Show. Mas confesso que preferi um Stones anônimo ao U2 esquemático e sem situação concreta de atuação. Se os Stones precisaram vir ao Brasil e cantar para mais de 1,5 milhão de pessoas para que eu passasse a querer pesquisar mais sobre a banda (ignorância sobre os Stones de espaço privilegiado em minha cabeça)eles fizeram. Em "Miss You", "Symphony for the devil" achei um stones atual e com apresentação marcante. Mesmo que atolados até a cintura em trejeitos, assimilei bem seus "composer set". Confesso, gostei e me diverti à beça, mesmo que na minha cabeça estivesse sempre esperando o riff inicial de "satisfaction". Bem pessoal, sou Pop até a veia. Quanto ao U2, renego minhas mais saudosas linhas ao encargo de consciência. U2 não faz show. Promove um evento iconoclasta, seja nas simbologias, nos atos, nos discursos. Bono não canta. Bono procura marcar o processo por uma espécie de conivência, de cumplicidade como quem diz: vcs sabem bem o que estou "querendo" dizer. Mas, "sorry". Lamentavelmente, o show de segunda não foi lá exatamente aquilo que poderíamos dizer de uma Tela Quente inédita. Faltou voz. Faltou a eterna e incomensurável interação sincrética da persuasão. Pelo menos não faltou o U2. Para quem sempre espera "Bad", "News Days" contagiar a todos como um câncer, foi o espetáculo que quase foi.


>>>>>vc ficaria entre quais opções que renovam o universo???
se algum tivesse que ser apagado do mapa, quem vcs escolheriam para ficar????
(brincadeirinha literária/cultural)

Drummond ou Cabral?
Castro Alves ou Álvares de Azevedo?
Reginaldo Rossi ou Odair José?
Mallarmé ou Pound?
Camões ou Fernando Pessoa?
Elvis ou os Beatles?
Bil Gates ou Steve Jobs?
A música Country ou a Sertaneja?
24 horas ou Lost?
Ocidente ou Islã??????
Socialismo ou Capitalismo?
modernidade ou pós-modernidade?
controle de metas de inflação ou intervencionismo populista??
hahahah

>>>
Vcs acham que os muçulmanos agiram errado ao inflamarem-se contra as charges?
Vcs acham que devemos respeitar mais a liberdade de expressão ou os ritos e mitos religiosos?
Vcs acham que a liberdade de expressão é uma religião?
Bem, para apimentar sua opinião vejam os seguintes fatos::
(Veja, 15 de fevereiro de 2006)- Entrevista à Tariq Ramadan, filósofo muçulmano.
(Veja) As charges de Maomé deveriam ser publicadas?
(Tariq) Do ponto de vista legal, sim. No contexto de nossas sociedades cada dia mais pluralistas, com diferentes sensibilidades, eu diria que não é sábio publicá-las. Liberdade de expressão exige responsabilidade. (...) na Europa, os Jornais não ferem a sensibilidade dos Judeus. Por que?
(Veja)O mundo seria melhor se os conflitos entre povos e nações fossem resolvidos por meio de guerras de caricaturas?
(Tariq) Caricaturas e humor dependem da realidade de cada um. Certas coisas são universalmentes engraçadas, outras não. Devemos ter cuidado com aquilo que achamos graça.
(Veja) Estamos vivendo um confronto de civilizações?
(Tariq) Não, o que estamos presenciando são confrontos dentro de cada civilização.

Bem, esta entrevista para mim deixou clara uma coisa. A Fé é sempre mais afiada e intensa do que a razão. Pensem por vcs neste caso.
Baixei o final desta etapa da série Lost. Segunda publicarei o final dela.hahahahah
Lixo.(vcs vão ver, por detrás vai aparecer alguma pseudo-teoria psíquica-mórfica-antro-polissêmica que vai embasbacar a todos). hahahahaha

Abraço a todos..

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

VIAGEM BRASÍLIA-DF (JANEIRO/2005) - MEMORIAL JK: MEMÓRIA DE UM PRESIDENTE POP

Viagem realizada em 2005, de Cacoal-RO ao Distrito Federal, conhecendo elementos históricos e culturais, bem como políticos de nossa Capital Federal. Neste texto demarco o impacto que tive ao visitar o Memorial JK e entender um pouco da história da nossa nação. 

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

PÓS-MODERNIDADE E ALGUNS PRESSUPOSTOS

Olá a todos; já estava ansioso para voltar a escrever aqui; minhas férias foram aquelas que podem realmente serem chamadas de "relaxante",visto que, com fervor religioso, não fiz absolutamente NADA. Bem, este é o primeiro post de 2006 e merece algo mais; então o farei um pouco mais amplo; abraços e um beijo no coração de todos os amantes das letras!!
Quero direcionar o Post desta semana aos acadêmicos que ingressaram no curso de Letras, à turma que conheci esta semana: espero que todos vcs "penetrem surdamente no reino das palavras" e percebam o poder das mesmas em vossas vidas. Sucesso à todos e bem vindos ao melhor curso do mundo!!!! (sem bairrismos, hehehe) Também quero desejar boas vindas ao nosso novo coordenador, professor Jorge Luís Freitas Lima. Um grande abraço.

GARIMPANDO O MAR DE IDÉIAS
abaixo selecionei algumas citações para o momento;

"Não há espaço para uma boa criação que não seja demasiadamente pequeno;
grande deve ser a percepção da grandeza"
Rômulo Giacome

"Nomear um objeto é suprimir três quartos do prazer do poema, que é feito de advinhar pouco a pouco: sugerir, eis o sonho"
Mallarmé

Mesmo calada a boca, resta o peito
silêncio na cidade não se escuta
de que me vale ser filho da santa
melhor seria ser filho da outra

"Meu sangue entrou em sua veia e se perdeu"
Chico Buarque

Isso é ser flor, e anjo juntamente
ser Angélica flor, e Anjo florente
Gregório de Matos

"Uma obra de arte consiste em nos ensinar sempre que não havíamos visto o que vemos"
Paul Valéry

"O que em mim sente está pensando"
Fernando Pessoa


série "LOST" (Globo)

Alguém vem acompanhando aquela série LOST?
bem, até o presente momento achei que ela não mostrou
a que veio; as cenas são muito longas para um estilo
dinâmico; os enigmas também são planos distantes, sem
muitas marcas de sentido ou indícios; e o que tudo leva
a crer, é que os mistérios terão nunces de realismo
psicológico. Bem, esperemos para ver, pois até agora
está bem neutra.

série 24 horas (Globo)
Em sentido contrário navegou a série "24 horas". É impressionante
como ela prende a atenção, mesmo em absurdos inverossímeis como
zoom de milhões em placas de carro e a maravilhosa rede de
câmeras cobrindo os EUA todinho. Tirando isso, sua montagem
é muito boa, bem editada e com um roteiro amarrado realmente.
Gostei.É maravilhoso perceber que a cultura pop não apenas sobrevive
do negar a si mesma. Bem, isso mesmo. Muitos artistas e produções procuram no psicológico, no fantástico ou espiritual, motivos para
ser cult. Mesmo sabendo que é pop, será divulgado e milhões verão.
Sou daqueles que permite o Pop sobrevier, desde que ele saiba das
suas dimensões, que na minha opinião são 99% de tudo que vemos de
arte por aí. Ou vcs acham que Mozart ou Sex Pistols não são pop?
Não sejamos ingênuos. Não existe mal nenhum em vender. Existe mal
em porcarias.

LANÇAMENTOS (DISCOS)
Mudando de assunto. A banda contagiantemente moderna e esplendorosamente paradigma dos novos horizontes do Rock mundial lançaram seu novo CD, o terceiro. "Firts Impressions of Heart" já toca em minha radiola home à algumas semanas (heheh, Hó santo e-mule). Quem ainda não conhece The Strokes está perdendo duas grandes oportunidades: a primeira de curtir um
bom Rock and Roll, com muitas referências aos cenários Punk jurássicos (que valiam a pena), bem como muita intervenção Velvetiana. O segundo motivo é ficar antenado no que está acontecendo com o Rock nos últimos 6 anos. Na minha humilde percepção musical os Strokes vieram
forte e intenso. Não é fácil abandonar uma postura pós-punk que construiu e edificou todo o novo movimento pós 2000 sem um pouco de
cicatrizes e dores. Mas fizeram isso muito bem. Os solos estão mais trabalhados, a velocidade diminuiu mas ganhou-se em melodias. Tirado o peso dos 360 graus sofridos, considero um disco comprável (ou baixável).

POESIA
Estaremos completando, neste ano, os cento e dez anos da publicação do poema "Um lance de dados" de Mallarmé, texto que inaugura tudo o que de mais moderno foi engendrado para a poesia no finalzinho do século XIX. Este poema apresenta os primeiros momentos da destituição monárquica do verso em nossas letras, para evocar o que viria a ser a pedra de toque do objetivismo de Pound e concretismo brasileiro. Ora, festa para um único poema? não é qualquer poema que merece tal honraria. Ele abre a noção de leitor indignado com o finito, talhado pelo discurso de conteúdo, e prioriza o acaso como mola essencial. As leis do acaso são íntegras em apresentar o maior número possível de leituras, infinitesimais. Abaixo segue o endereço para acessar este poema tão especial.

http://www.eca.usp.br/alunos/posgrad/denise/poema.htm

POVO DO 5º PERÍODO
Bem, estamos iniciando mais um trabalho e nada melhor do que fazer aquilo que se gosta. Eis o ponto efervecente de se trabalhar SIMBOLISMO
nesta turma tão empenhada e ávida pelos conhecimentos literários. Um dos grandes autores simbolistas, Pedro Kilkerry, ficou despercebido pela crítica histórica (Muricy, Sílvio Romero, José Veríssimo) e teve que ser re-lido e re-avaliado pelos irmãos Campos, em um trabalho quase arqueológico de recomposição textual e memorialista. Seguem uma lista de endereços que serão importantes para um conhecimento prévio sobre este grandioso poeta Baiano. (Os textos possuem natureza científica de "divulgação" e são abertos, mas dão um pouco da real perspectiva de Pedro Kilkerry). Aproveitem.

www.revista.agulha.nom.br/pk.html

www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia/ poesia/index.cfm?fuseaction=Detalhe&CD_Verbete=620

www.mauxhomepage.com/desenterrandoversos/ desenterrandoversos/pedrokilkerry.htm

ENSAIO

Em breves linhas, este pequeno ensaio demarca o primeiro momento em que foi utilizado o termo "pós-modernidade" seguindo sua rota teórica pelos caminhos da arte, conduzindo-nos a refletir sobre a condição cultural atual e seus meandros socioais, filosóficos e estéticos.
Boa leitura.

O PÓS-MODERNO EM UMA VISÃO ESTÉTICA
Por Rômulo Giácome de Oliveira Fernandes


O primeiro a falar em “pós-modernismo” foi Perry Anderson, que cunhou o termo após tê-lo ouvido de um autor hispânico chamado Frederico de Onís, na ocasião ele o utilizou para alicerçar um pensamento conservador dentro do próprio modernismo. Perry Anderson escreveu "As Origens da Pós-Modernidade" (Ed. Jorge Zahar, 1999), figurando como um grande pesquisador das questões culturais e sociais da atualidade, sendo que a primeira (cultura) nos afeta diretamente, partindo para o viés de análise deste pequeno ensaio.
Antecipadamente, não podemos deixar de ressaltar que esta discussão está engendrada sobre duas condições básicas: a constituição de uma sociedade e seus meios de produção e cultura, e por outro lado, a consciência histórica enquanto agente ou paciente dos processos de reconhecimento e representação.
No primeiro âmbito, Fredric Jamesom "Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio" (ed. Ática, 1991) aborda de maneira sistemática e crítica os mecanismos de apropriação da consciência cultural através de uma indústria cada vez mais sofisticada de bens de consumo. Alguns mecanismos de inserção de uma vivência cultural destinada a suprir necessidades são frutos do fetiche pela imagem, uma espécie de reação ao novo capital, o capital devir, aquele que é nutrido pela ausência de repressão e imersão completa na própria vivência.
Em outras palavras, a sociedade corrompida pelas próprias necessidades de consumo, busca na produção modernizada, um tempo de informação, como se pudéssemos estabelecer um diálogo exterior com nossa própria consciência. Ao meu ver, esta bridge que procura unir um vácuo de existência com a possibilidade do ter e do poder, também é criticada por toda a epistemologia da pós-modernidade. O que parece é que todos os críticos ao pós-moderno vêem em Jamesom mais um forte candidato à cadeira marxista do que um crítico literário revolucionário e contemporâneo. Jamesom não é reacionário. Ele encara os modos de produção cibernéticos como suportes ao ir e vir de novas informações produtivas, de novos saberes eficazes e humanos e o enriquecimento da humanidade através das novas habilidades e tecnologias. A partir desta interpretação do pensamento de Jamesom frente ao cinema, música e pintura consideradas de ruptura, vemos que seu marxismo já é tangenciado por laivos de abstração.
O contexto artístico pós-moderno parte de que uma nova ordem social está em voga. A força bestial com que a tão famigerada “Indústria Cultural” (Adorno) toca a ordem de produção de arte é fruto de uma adoção do discurso produtivo como se fosse sua, a adoção do discurso de outrem como legítimo (ideológico). A arte passa por um processo de tentativa de legitimação, busca por uma saída de alteridade. Acredito que nada possa residir tão pernicioso nas atuais estruturas que não sobressaia momentos de ruptura importantes ao desenvolvimento social. Jean François Lyotard que escreveu em 1979 o livro "A Condição Pós Moderna", procurou de maneira epistemológica e estética, traçar uma ordem discursiva para a pós-modernidade. Desta obra podemos extrair, dos inúmeros postulados, um que me parece salutar para a ocasião: a legitimidade do discurso. Na pós-modernidade a necessidade do discurso crítico para fruição da arte é inegável. A obra de arte passou a estar centrada dentro de um discurso estético que a sustenta e a suporta enquanto veiculadora de idéias e informações. Na literatura esta nova postura foi deflagrada por Ezra Pound e James Joyce (Ulisses), ambas obras de fragmentação e atadas a evolução do estudo da linguagem. (Semiótica e Lingüística). Os próprios russos já pretendiam uma nova estética literária, atada aos valores: fragmento, alusão, imagem, discurso e signo (Mayakovski, Andrei Biéli entre outros). Aqui no Brasil, a nova ordem aferida nos oitocentos por Mallarmé foi devidamente re-trabalhada pelos irmãos Campos e Décio Pignatary na poesia concreta. Contudo, a legitimação da arte pelo discurso, e aqui entraria a crítica marxista contra os excessos do mesmo, também estariam previstas em lastros de realidade itinerante e poderosa. Ao contrário do que muitos pensam, a literatura pós-moderna é um contato com o real. Marcas como o cotidiano, o romance urbano, a crônica, a sátira e toda a produção Beatnik e Regionalista estão amarradas a uma noção de verossímil crítico. Por outro lado, a geração de 22 abriu às portas da produção popular regional, em uma ampla pesquisa estética, que no arcabouço da intelectualidade brasileira, deflagrou na literatura pós-moderna como ganchos de ruptura. É irônico termos rupturas na pós-modernidade com a literatura popular, tendo em vista que muitos críticos a vêem como redutora e limitadora desta produção. Com o advento das novas tecnologias discursivas, na geração pós-guerra, tivemos a revitalização de autores como Patativa do Assaré, Pedro Kilkerry e a Lama e Caos do manguebeat. Ora, convenhamos que identificar sintomas de fragmentação na arte pós-moderna como defeito, é esquecer as cicatrizes deixadas pela arte Iluminista e Romântica, elitista e altruísta. O Pós-moderno literário possui um projeto, e este projeto tem marcas profundas na adequação social dos meios de produção de massa e domínio das novas tecnologias. Nunca foi tão possível acessar a informação, e nunca foi tão possível preconizar uma “epistemologia da Internet”. Os Happening e os Madefake, arte multimídia e textos de qualidade estão sendo produzidos em volumes exponencial, e somente através de novos mecanismo de produção e absorção de arte teríamos como escapar do mercado editorial. Fugir dos domínios editoriais, bem como nossos românticos fugiram da Editora da Monarquia, é uma nova forma de encarar os modos de produção.
A constatação sociológica de uma sociedade dês-moldada e renitente de contradições, é o júbilo e regozijo da arte. Banhando-se freneticamente nestas disjunções inerentes ao ser, poder, ter e parecer, a literatura vai concretizar seu projeto de re-estilização projetiva da sociedade através da nova narrativa e da nova consciência histórica de descontínuos. Aqui entra o segundo item mencionado acima, uma construção de historicidade através da representação. Em uma época de meandros de projeções e devir assentado na reprodução em escala potencial, um mundo de representações artísticas possuem mais força e poder do que em décadas anteriores. Do tecnicismo concreto ao tecnicismo subjetivo, ganha o último como saber estético. Esta crise de representação é bem articulada por Siscar, em seu artigo Figuras do Presente:

Neste fechamento do presente sobre
si mesmo, já não de trata dizer que a vida imita a
arte, pois a crença na presença pura pretende exceder
virtualmente, fantasmaticamente, a própria
representação do real (1999: p50)


Esta figurativização do representamem como identidade do pós-moderno literário, tem no simulacro uma identificação tênue com a linha traçada por Derrida quando ele afirma que “nada existe fora do texto”. A arte sempre procurou categorias de existência antagônicas à sua condição de linguagem ficcional. Encontrou forte apoio existencial no simulacro de Baudrillard. “É sempre uma questão de provar o real através do imaginário, de provar a verdade pelo escândalo, de provar o trabalho por intermédio da greve, de provar o capital pela revolução" (BAUDRILLARD).
Drummond já preconizava a existência de um simulacro na vivência poética, na arte de amarrar a condição do ser com a noção do parecer, fecundando uma literatura de metáforas amplas e ligadas ao coletivo sentimento do mundo. A linha que divide a vida da personagem com a existência real sempre foi a mesma linha que dividiu o sonho da concretude. Estas representações mor, que as novas narrativas pós-modernas procuram estender dentro do cenário de produção atual, é a estreita hiperonímia entre um ato de devorar a si mesma para assinalar a força da fome.
Mas toda representação artística está validada por sobre uma égide de categoria semiótica: seja na presentificação do sublime, seja no ato de narrar as desventuras humanas. A reinvenção da palavra e o pastiche, são técnicas contemporâneas para deflagrar sentidos. Se antes a arte estava para o real como substituto, agora ela o tem apenas como âncora referencial. O foco não é mimetizar o sensorial, o existente, mas sim utilizá-lo como matéria prima para transportar ao sonho, ao fantástico, e modernamente, à intimidade, ao pessoal. A existência individual é muito interessante e cara, como metonímia salutar à procriação de idéias. Copiar novas idéias como em uma série ou linha de montagem, não é exatamente o êxito pós-moderno. O êxito pós-moderno na literatura está em deixar o leitor co-piloto de sua obra, como em uma espécie de farsa desdobrada, a leitor tem a parca sensação de domínio do texto, abertura e interpretação própria. Ele acredita estar sendo proprietário de si mesmo, enquanto na realidade está sendo apropriado, está sendo fio condutor da arte, desposando as dúvidas e separando-se das certezas rumo à consciência. Jorge Luís Borges, em seu conto Loteria da Babilônia, de modo sutil e alegórico, remonta como o discurso penetra nas camadas mais profundas da sociedade, do indivíduo e da consciência. Como a apropriação da representação tem o poder e o fazer de mudança (ideologia). Assinalo que tanto a boa literatura (Jonh Barth, por exemplo), quanto a indústria efêmera da arte comestível, possuem os mesmos recursos. Seduzir e provocar são elementos poéticos utilizados na propaganda moderna. Isto por si mesmo mostra a força da literatura enquanto modalizadora de novas linguagens e técnicas. Mas notem que o contrário não é verdadeiro. A propaganda atual reconhece na tônica literária um braço ágil e forte para domesticar. O grande problema é que a ausência de educação formal e lacunas sociais, afetam o desenvolvimento da grande arte, fazendo com que muitos afirmem que a culpa é da própria arte. Esta crise de problematização desarranja o modo como vemos e entendemos a literatura, passamos a acreditar que literatura popular é literatura de péssima qualidade e que a boa literatura é incognoscível. Esta inversão de valores deturpa os estudos literários e mostra que mais fraca do que a arte de um modo geral, está os sistemas políticos, tanto de esquerda quanto de direita, que ainda não conseguiram resolver suas próprias idiossincrasias, imaginem as da literatura.