MENU PRINCIPAL

terça-feira, abril 10, 2007

MODERNISMO BRASILEIRO

Orientações do Prof. Rômulo Giácome

As vanguardas Européias:
Os "ismos" sempre foram considerados elementos chatos de serem compreendido pelos alunos iniciantes e completamente incensados pelos críticos conteudísticos sociais, uma vez que suas repercussões não reverberam na teia social brasileira do modo como deveria ser. Mas para aqueles literatas preocupados com a teia da linguagem que compõem o casulo da arte verbal, as vanguardas são o ponto máximo da evolução da literatura efetuada pelo simbolismo, uma vez que preconiza o signo como elemento mediador (demiurgo) do elemento sensível com o néctar na poesia, o conteúdo. Vindo ao encontro desta premissa, abordaremos as vanguardas por pequenas dicas intrínsecas a sua constituição semiótica que contribuíram sobremaneira ao entendimento e análise de fragmentos de poemas contemporâneos. Vejam o esquema abaixo:

Separaremos as vanguardas por percepções semiotizadas:

I Verbais

Enfoque nos termos da língua (palavras) que tem como referência a denotação em um movimento de modulação para a conotação.

DADAÍSMO:
Recortes interessantes a serem pontuados: neologismos; ilogismo semântico por meio de novos termos; paranomásia, ou seja, equivalência sonora; manipulação dos dialetos das línguas e referência a outras línguas;

FUTURISMO
Recortes interessantes a serem pontuados: velocidade rítmica da prosa e poesia; ausência de pontuação; violência simbólica a partir de um léxico forte e intenso; onomatopéia (imitação dos sons concretos); imitação da sensação de modernidade; busca de aliterações e assonâncias mecânicas;


II Visuais
Busca da projeção visual dos signos não-verbais descritos nos textos que propiciam a elaboração da "cena informativa";

SURREALISMO
Recortes interessantes a serem pontuados: bloqueio da razão e fluxo da consciência; inconsciência; sonho; elementos telúricos e oníricos; devaneios; abstrações; imagens não figurativas (sem forma definida pelo real); abuso das cores, sensações e emoções;

CUBISMO
Recortes interessantes a serem pontuados: desconstrução do figurativo; presença da imagem; formação geométrica; delineação de pontos oblíquos; definições em ângulos; recortes;

CASO IMPORTANTE:

EXPRESSIONISMO:
O expressionismo possui ambivalência comunicativa; tanto parte de postulados visuais quanto de verbais; ele pode ser facilmente confundido e deve estar classificado como uma categoria e não como uma marca de expressão; a tônica de sua classificação está na função emotiva, onde o sujeito discursivo emana traços expressivos através de expressões verbais na enunciação (interjeições, analogias, repetições) bem como visuais, criando relações entre emoções e sentimentos com cores, traços e formas.

QUESTÃO
O que torna a obra Macunaíma, de Mário de Andrade, modernista?

- O pastiche de uma mitologia racional, estruturada por sobre uma mitologia indígena primitiva, alicerçada em lendas e folclores de ficcionalidade e fantasia surreais;
- A bricolage do folclore indígena por um viés popular, com cores e tons sofisticados a partir da erudição e enciclopedismo de Mário de Andrade.
- Ausência de nexo na pontuação; esta negação permite o fluxo futurista, estruturado a partir do ritmo da prosa moderna de bases Joycianas.
- Tematização a cerca do elemento antropofágico, sugando a seiva da cultura (caldo cultural) como forma de recriação do novo;
- a METÁFORA DO ÍNDIO na perspectiva do anti-herói; a marca da ironia e humor popular de arestas modernistas;
- O vigor da narrativa em terceira pessoa com pessoalizações e internalizações de perspectivas;
- A ligação do campo com a cidade, através do elo indígena e do movimento de viagem e roteiro, dando ênfases épicas à narrativa localista;

Um comentário:

Robson Marcelo disse...

Opaaa
e aí professor
to visitando aqui de novo
interessante a ultima matéria publicada...
abração